quarta-feira, 6 de julho de 2011

então, eu quero ser tudo. Eu quero ser todos. Eu quero fazer tudo. E eu quero fazer com todos.

domingo, 1 de agosto de 2010


terça-feira, 6 de julho de 2010

Pulse

Uns ficam tristes por não terem vontade de fazer nada, já outros ficam por terem vontade de fazer tudo. E esse sou eu. A coisa que me deixa mais triste é saber (e aceitar) que não vou ter tempo de fazer tudo o que eu quero. Uma vida inteira é muito pouco tempo pra tantos planos e metas. E isso que só tenho dezoito anos, imagina quando tiver sessenta? Vou querer viver até o quinhentos!

domingo, 4 de abril de 2010

"E agora Rocha" é meu novo blog

Este blog está INATIVO.

Amigos, meu novo endereço é


Espero vocês por :)))))


terça-feira, 10 de novembro de 2009

Sou Rodrigo Rocha, brasileiro, trabalhador, pai de três filhos e casado há 25 anos. Amo meu emprego e quero continuar nele até me aposentar aos 65 anos. Nos finais se semana assisto meu futebol no bar com alguns amigos ou saio pra pescar. Quero ter minha casa própria e... e... e é isso, só quero minha casinha e minha família. Isso que eu espero da vida.Esse é o retrato de quem eu não sou e não quero ser. A vida pra mim não é só uma “passagem”. Quero fugir, quero ser tudo, quero ser todos. Conhecer todos os lugares, ter todos os cabelos, todos os amigos, todos os quilos, gostar de ser feliz e gostar de quando estou triste. Ter todas as emoções. Todos os sentimentos. Às vezes ficar em silêncio e estar explodindo por dentro... ser feliz comigo mesmo.. Aproveitar cada segundo. Sonhar de um minuto a outro e me encontrar na hora seguinte. De repente mudar tudo, trocar todos os planos, criar novas metas e ser feliz de outra forma! Esse sou eu. Acomodado por períodos e me enjoando fácil de acomodações. Desculpem, mas meu jeito de levar a vida ninguém muda...

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Meu han han


No meu último post falei da minha professora (não falo ex-professora porque professora nunca deixa de ser) e nem dei detalhes sobre a mesma, me perdoem a falta de educação.


Cleo, como era carinhosamente chamada por seus amigos de infância Platão, Aristóteles e Sócrates, sabe como ninguém o que é viver a vida. Poderia até fazer a nova novela das oito. Já teve praticamente todas as profissões antes de lecionar: foi parteira da Dercy, telefonista de Grahn Bell, garçonete na Santa Ceia, aeromoça do 14 BIS, com Santos Dumont... e assim conheceu o mundo... curtiu cada momento, viajou muito... inclusive até, há muito tempo, fez um cruzeiro de 40 dias e 40 noites com seu amigo Noé, cheio de animais, onde aprendeu a nadar, já que na época chovia de uma forma que parecia mais um dilúvio, assim ganhando mais uma habilidade profissional, impulsionando sua carreira e influenciando na conquista de outros empregos mais tarde, como violinista do Titanic e guia turística no Mar Vermelho, ajudando seu amigo Moisés, que conseguia abrir o mar com a força do pensamento – (lei da atração, o segredo, ronda byrne, 22,90 na Saraiva). Só não gostou de quando tentaram enterra-la com seu marido, Tuntakamon... mas ela conseguiu escapar, ninguém a viu atravessar o deserto, era muito esperta e eles não passavam de umas múmias – literalmente. Enfim, ela é uma vencedora!


Já foi dona de floricultura (adquiriu experiência com plantas quando viveu no Éden), e foi aí que vendeu artefatos como os espinhos da coroa de Cristo, as flores dos jardins suspensos da Babilônia e o primeiro buquê que Romeu deu para Julieta. Sem contar as gardênias que Billie Holiday usava na cabeça e a lenha para fogueira de Joana d’Arc.


Nos tempos de menina era um escândalo! Teve diversos namoricos por aí, ela sempre conta que quando saia à noite com Galileu para ver as estrelas ele falava que queria mostrar a ela sua luneta, de quando posava para Da Vinci pinta-la ou de quando ia na Capela Sistina e se encontrava escondida com Michelangelo na sacristia. No Brasil, conheceu ninguém menos que Sênior Abravanel, conhecendo o seu verdadeiro baú da felicidade, rodando o pião e topando tudo por dinheiro... Foi até jurada do programa do Silvio Santos!


Ah, imaginem como a história dela daria um livro! Dividida em testamentos ainda! Ela sabe de detalhes que nem mesmo Deus sabe! Sua verdadeira biografia sempre foi escondida... até mesmo na Bíblia não conta a verdade!


Cléo viveu no paraíso!! Aposto que essa ninguém sabia. Se você prestar atenção em Gênese vai perceber que o nome da jardineira do Jardim do Éden era a Clemilda, sendo então o Paraíso (não a novela com o Daniel) habitado por Adão, Eva e Clemilda. Só mais tarde que apareceu a serpente...


E então, quando apareceu a serpente na vida dela tudo mudou. Não vou dar mais detalhes desse período de sua vida por considerar a intimidade da pessoa uma coisa única, só dela. Mas no dia que ela publicar um livro no estilo “Minha memórias”, ah, Deus do céu... vai vender que nem água! E vai ser com prefácio de Matusalém!


quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Ainda em tempo: falando em ficar mais velho, hoje é aniversário do meu irmão, Rogério!


Parabéns, muitos anos de vida!

Microcoloumb

Hoje é o Dia Internacional da Terceira Idade! Ou então, melhor dizendo, dia da “Melhor Idade”, fica mais bonito né?


Eu tenho uma verdadeira paixão por idosos. Sei lá, acho que é uma espécie de fetiche – no bom sentido, claro. Admiro muito quem chega a essa etapa da vida, considerada por muitos como “o final” e consegue fazer dela apenas o começo!


Me deu até vontade de ir pro bingo, jogar canastra e tomar chá. UAHUHA!!! E tudo isso em uma excursão para Aparecida do Norte! UAHAHUA


Trocando de assunto, ou nem tanto, neste vídeo, temos a minha ex-professora de Física, Clemilda. Também ex-esposa de Newton. A nossa querida “ponto vírgula” (apelido dado pela forma que ela anda, mancando). Um amor de pessoa. Que saudade de ouvi-la desafinar no final de cada palavra...


video


Qualquer ligação da comemoração do dia de hoje ao vídeo postado é mera coincidência. Que fique claro.


É um microcolouuuuumb...


quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Um belo dia resolvi mudar


Deus colocou em meu caminho diversas pessoas parecidas comigo. E estranhamente essas pessoas não me agradam muito. E eu penso: “Mas que merda”! Eu sou assim também? Vou ficar assim?

Deve ser proposital, para que eu queira o quanto antes mudar e não tornar o meu destino igual ao dessas pessoas. E não ter o mesmo fim!


Te agradeço, Senhor!

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

De Adelia Prado

O CASAMENTO


Há mulheres que dizem:

Meu marido, se quiser pescar, pesque,

mas que limpe os peixes.

Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,

ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.

É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,

de vez em quando os cotovelos se esbarram,

ele fala coisas como “este foi difícil”

“prateou no ar dando rabanadas”

e faz o gesto com a mão.

O silêncio de quando nos vimos a primeira vez

atravessa a cozinha como um rio profundo.

Por fim, os peixes na travessa,

vamos dormir.

Coisas prateadas espocam:

somos noivo e noiva.

Texto retirado do livro:

“Adélia Prado - Poesia Reunida”, Ed. Siciliano - São Paulo, 1991, pág. 252.

sábado, 26 de setembro de 2009

Eu, eu mesmo Rodrigo

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Samba do Avião

Minha alma canta

Vejo o Rio de Janeiro
Estou morrendo de saudades

Rio, seu mar







Praia sem fim
Rio, você foi feito prá mim

Cristo Redentor
Braços abertos sobre a Guanabara


Este samba é só porque
Rio, eu gosto de você

A morena vai sambar

Seu corpo todo balançar


Rio de sol, de céu, de mar
Este samba é só porque
Rio, eu gosto de você

Aperte o cinto, vamos chegar

Água brilhando
Olha a pista chegando
E vamos nós

Pousar...


Samba do Avião
Composição: Antônio Carlos Jobim
Fotos: tiradas por mim e Luana, em nossa viagem para o Rio

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Dia da Árvore

21 de setembro, além de ser o Dia da Árvore é também aniversário da minha sobrinha, Rhaysa. Parabéns, monstra! Tudo de bom!


eu e Rhaysa, minha sobrinha


Árvores, árvores... natureza, meio-ambiente... como tudo isso é lindo, não? Tá, é lindo, mas me digam: pra quê um dia da árvore? O que se faz nesse dia? Devemos valorizá-la apenas hoje e nos outros dias ficar judiando seus galhos e arrancando as suas raízes? Ai ai... tá ok, isso não tem nada a ver, porque se fosse assim também não haveria dia das mães, mas é diferente uma árvore de uma mãe, claro. Mesmo que chamem nossos verdes de mãe-natureza, não se compara o sentimento envolvido na comemoração do segundo domingo de maio. Que é, vai ter festa na floresta? Um almoço cheio de adubo e regador?


Seja lá qual for o motivo eu vou aproveitar do meu jeito. Já que todas as árvores desse país devem estar comemorando o seu dia – e hoje todas já devem estar computadorizadas e com internet, quero aproveitar e mandar um super, mega beijo pra uma querida amiga árvore que conheci em Paquetá, Rio de Janeiro.

Certa vez, quando fui para a Ilha de Paquetá, estava andando com uma daquelas bicicletas duplas, que é tipo um carrinho (não sei o nome) e estava apurado pra fazer xixi. Não estava mais agüentando. Não tinha nenhum banheiro ali perto, e nem shopping. E pra voltar para o lugar que eu estava hospedado era preciso esperar sair a barca, que demora 1 hora pra atravessar o Rio Niterói... Então, nessa aventura eu desci do carrinho e vi uma gigantesca árvore, que traz junto a ela uma lenda milenar.


Linda! Essa foto tirei a noite, por isso a qualidade está péssima. A lenda está gravada naquela placa aos pés da árvore (?)... e diz algo assim:


"Sorte por longo prazo... a quem me beija e respeita. Mas sete anos de atraso... a cada maldade, a mim feita"


Agora só preciso saber o que essa árvore entende por maldade. Será que fazer xixi atrás dela pode ser considerado?


Do outro lado da vida

Hoje faz sete dias que faleceu o ator texano Patrick Swayze. Filmes como "Ghost" e “Dirty Dancing” marcaram minha infância, inclusive, nos tempos áureos, de quando a internet ainda era novidade e um adolescente ainda não tinha participado da inclusão virtual (neste caso, eu) até tinha um endereço de messenger chamado “timeofmylife_dirty”, em homenagem a trilha de Dirty Dancing – Ritmo Quente. Ai ai, cada coisa! Imagina a vergonha quando alguém pediu meu MSN.


Patrick está encarando como é realmente estar do outro lado da vida e ser um ghost de verdade. Deve estar rezando para Deus, ao vivo, para não ter que repetir algumas cenas de “Ghost” e ter que ficar vagando por aí, pelos metrôs da vida... ou da morte, tanto faz. Quem deve estar em uma situação pior é a Demi Moore, com medo de receber uma visita a noite... Ou então, Woopi Goldberg! Não deve nem estar dormindo!


Patrick sempre foi conhecido por manter o físico em boa forma...


nos últimos dias, o ator chegou a pesar 47 quilos!


descanse em paz!


domingo, 20 de setembro de 2009

Só pra constar

Hoje é 20 09 2009

Não é sempre que isso acontece. Que lindo! E eu vou ao Beto Carreiro!

sábado, 19 de setembro de 2009

Boceta


Desculpa àqueles que acompanham meu blog e conhecem a minha maneira de ser e escrever se o assunto de hoje pode causar certo desconforto a vocês. Aos meus amigos gays, que são muitos, sei que o desconforto é certeiro, mas peço que não me taxem de vulgar apenas por isso, por que não é bem o que vocês estão pensando. De qualquer forma, garanto que falo agora e calo-me para sempre, mas o assunto não é tão sexual quanto parece. Preciso pedir licença para escrever isso, porque é certo que volta e meia, ao decorrer desse escrito, vou soltar um comentário e outro que pode parecer vulgar, mas isso será necessário para separarmos as “coisas” – se bem me entendem. Quando quero escrever algo e não tenho oportunidade, não tenho um papel e uma caneta ou um computador para realizar tal ato, começo a me corroer por dentro e sentir uma vontade louca de cometer alguma loucura. Sim, sou drástico mesmo. E sou direto também, então vamos direto ao assunto que eu quero chegar: vamos agora falar de boceta. Sim, de boceta mesmo. Esse é o assunto de hoje. Mais atual, impossível.

Lendo “Dom Casmurro”, essa semana, minha atenção se voltou para um trecho do livro, que não sei por qual motivo eu não recordava. Lá em certa altura da obra, Machado de Assis escreve “(...) como ninguém tachou de má a boceta de Pandora”.

Quê?

Eu parei, voltei e li novamente o parágrafo que citava a dita cuja. De nada adiantou. Pensei que em uma dessas, poderia estar com tal parte intima feminina na cabeça e a danada resolveu aparecer naquela página. Mas não. Machado de Assis realmente escreveu claro e conciso, essa frase. Seria então Pandora uma desvairada que deixava seu corpo a mostra para tacharem de boa ou má? Seria ela uma puta? Não, creio que não. Estudei um pouco de mitologia grega e lembro-me, apenas, de falarem a respeito de sua caixinha.

Não me chamaria atenção se tal frase fizesse parte de uma revista pornô ou um livro um pouco mais safado, mas se tratando do grande imortal, fundador da Academia Brasileira de Letras e talvez, o maior expoente da literatura brasileira, o Sr. Machado de Assis, estranhei o fato. Estranhei porque de nada tinha a ver com o assunto até então narrado.

Se fosse, em alguma das perversões de Capitu, até acharia normal, já que “os grandões” da nossa literatura sempre dão um sentido poético às coisas e conseguem descrever bem qualquer sentimento e prazer. E convenhamos, Machado de Assis é mestre, se quisesse, poderia transcrever uma composição erótica da Gretchen que com certeza, quem lesse, ao final concluiria que a beleza que ela conseguiu extrair da letra de Conga La Conga é de uma poesia impar. Mas este não era o caso, a palavra estava lá, parada, fixa e explicita.

Talvez eu não tivesse reparado antes aquela palavrinha nas páginas de “Dom Casmurro” por achar natural, ou quem sabe, por ser muito novo quando li a primeira vez e não me interessar muito pelo assunto - se é que me entendem. Ao contrário de hoje, que li e já imaginei Pandora nua na capa do livro.

Fui procurar uma explicação. Melhor, um outro significado para “boceta”, já que dentro de mim acreditava que Machado, um grande conhecedor da língua portuguesa usou-a no sentido verdadeiro da palavra (que eu desconhecia), portanto, deveria existir outro significado. Mais fácil pensar assim do que já concluir que Machado não passava de um pervertido que enfiava boceta aos quatro cantos do livro – ainda bem que não é o contrário.

Então, fui perguntar a um grande amigo, o Aurélio: o que era boceta? Se Aurélio fosse uma pessoa, com certeza me chamaria de homossexual. Sorte a minha que Aurélio é um dicionário e não me discriminou pela ignorância em etimologia. Aliás, grande parte da população também não deve saber.

Lá estava o verdadeiro sentido de boceta, que não era apenas dar prazer ao homem e às lésbicas. Boceta significa “pequena bolsa”. Na hora eu pensei, “ah, então é por isso que as grávidas dizem que estourou a bolsa”. Pensei que então que elas dissessem isso, para de uma forma sutil, avisar que estourou a boceta. Só que então eu cai na real e vi que não, nenhuma mulher falaria uma coisa assim com tanta naturalidade, até mesmo porque elas lembram disso em qualquer situação, em um almoço, jantar ou até mesmo no ônibus, chega a ser vulgar se pensar desse forma. Então fui mais a fundo (no dicionário, que fique claro!) e li a alusão que fazem com a Caixa de Pandora, chamando-a também de Bolsa de Pandora. Pronto, tudo explicado, aquilo me uma luz (to falando luz no sentido de idéia, não no sentido de saírem coisas pela “bolsa”, se é que ainda me entendem).

Caixa de Pandora, Bolsa de Pandora e Boceta de Pandora era tudo a mesma coisa. Resumindo, uma bolsa pequena, é chamada de boceta. Porque não “bolseta”? Seria mais fácil identificar sobe o que se trata, porque convenhamos, Machado que me desculpe, mas dessa forma o senhor só confunde a cabeça das pessoas (me refiro à cabeça de cima, mesmo que o assunto principal esteja mais relacionado com a de baixo, se é que mais uma vez vocês me entendem. Pior que isso, é o diminutivo de “rua”...

Para quem não sabe, a tal Boceta de Pandora, que eu só conhecia por Caixa de Pandora é uma referencia à mitologia grega. Pandora, a primeira mulher, recebeu de Zeus uma caixa onde estavam guardados todos os males do mundo. Eu sempre achei que essa história tinha um duplo sentido, uma mensagem subliminar, sabe? Agora, mais do que nunca tenho essa certeza! Antes eu desconfiava dessa história, porque minha mente poluída sempre pensava em sacanagem quando ia pra “segunda” parte da história, que é quando Pandora se casa e bruscamente seu marido “abre a caixinha”. Sempre associei isso à virgindade e ao sexo, ainda mais que o nome do grego era... adivinhem qual era... não, não era Zé Mayer, era Epimeteu. Prestaram atenção? Fizeram a separação de silabas? Pois bem, foi aí que Epimeteu...

Quando Epimeteu meteu a mão lá (ou qualquer outra coisa, que não vem ao caso agora) e abriu a caixa de Pandora, todos os males escaparam, espalhando-se pelo mundo. No fundo da caixa, restou apenas a esperança. Aí vem aquela história de que todo o mal vem da mulher, ou então, na minha adaptação, que depois que o homem descobre o poder da “caixinha da pandora” (sim, to falando entrelinhas) ele se ferra e se torna dependente dela, motivo pelo qual as mulheres dominarão o mundo, já que possuem o objeto mais procurado da face da terra. Um dia, o ouro há de se acabar, já as... bom, vocês não são bobos e entenderam.

Um pouco de cultura faz bem a todo mundo. Eu precisava compartilhar essa descoberta com vocês – não da boceta, mas sim o fato d’eu estar achando que Machado de Assis era um pervo e safado que se confundiu ao diagramar seu texto, com “trocas de palavras” que ninguém ainda havia visto. Já tava doido pra fazer uma correção em “Dom Casmurro”, imagine que honra, eu, morando em uma casa sem portão, corrigindo o grande mestre. Mas não foi dessa vez...

Bom, deixem-me voltar a minha leitura, se eu descobrir mais alguma palavra até o fim do livro venho aqui compartilhar com vocês, assim como fiz hoje com a boceta – se tem alguém lendo só esse parágrafo e não sabe sobre o que esse post se trata, só digo uma coisa, não, eu não estou de falando de surubas e menages, não to compartilhando nada disso.

Ai, deu desse assunto. Deixa esse assunto ir dar. Vou continuar a ler, quero ver dessa vez descubro se Capitu realmente deu ou não deu sua bolsa no diminutivo para o amigo de Bentinho...


p.s: o diminutivo de rua é “ruela”.

p.s 2: a foto do inicio da postagem eu peguei com o Robson, e amigos mente poluídas, é apenas um abajur.

p.s 3: continua em promoção nas lojas Americanas.

Repassar ao Osama

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Sei lá


Sexta-feira passada não pude ver o último capítulo de “Caminho das Índias” porque a plim-plim estava fora do ar, maldita Globo. Minha irmã até chorou de raiva. E não é uma hipérbole. A fanática ligava pra central da RBS, quase chorando, implorando para que os técnicos se apressassem e agilizassem “os reparos”.


Bom, os reparos foram feitos depois que apareceu o “Fim” na telinha. Motivo para mais choro na minha casa. Mas tudo bem, os tempos da caliuga passaram e sábado assistimos a reapresentação. Adorei! Foi muito auspicioso!


Assisti também "Viver a Vida", adorei o primeiro capítulo... mas já tá caindo na rotina. E novela do Manoel Carlos quando cai na rotina, saí de perto! Vi que ontem teve só dois pontos de diferença no IBOPE para a novela "Caras e Bocas"! Isso que "Caras" é das 19h, sempre com uma audiência menor. Deve ser porque é primeira semana mesmo. Deus queira, caso contrário corremos o risco dessa novela acabar sendo a última do Maneco mesmo...


Maneco é como a fênix, acham que parou de escrever e então ressurge. Acho que ele sempre repete que "essa é a sua última novela" para, caso morrer, depois ter os comentários... "enquanto vivo, realmente ele disse que seria a última. E foi mesmo, ele previu". Acho que é isso. Pode ser maldade da minha parte, mas é o que penso.


O mais engraçado de tudo é ver a Globo anunciando a programação depois da novela. Por exemplo, eles falam "acompanhe depois de Viver a Vida, A Grande Família ...".


Engraçado isso, né? Depois de viver a vida a pessoa já morreu...